S.O.S Pretinho: Ajude a salvar uma vida!

S.O.S Pretinho: Ajude a salvar uma vida!

Então, como alguns de vocês já devem ter visto, venho compartilhando a saga do Pretinho nas minhas redes sociais desde o seu resgate no dia 22/12/2018.

Pretinho era um gato de rua que eu via de longe em alguns dias da semana. Depois que comecei a colocar comida na minha garagem, para que ele e outros gatinhos pudessem se alimentar, comecei a receber visitas constantes, porém, cheias de cautela. Ele nunca deixou que o Patrick ou eu chegássemos muito perto.

Observando ao longo dos dias, notamos que ele babava muito ao comer. Ficamos preocupados com o estado de saúde dele e com muito dó. Apesar de sabermos que ficaria apertado no orçamento acolhe-lo, escolhemos essa opção.

(Abro um parêntese aqui para deixar claro que: temos outros 3 gatos pelos quais fazemos todo o possível. Eles não comem a melhor ração que existe, mas sempre procuramos a melhor opção levando em conta custo x benefício; sempre tem assistência médica quando necessário; tem brinquedos; banhos em petshop. Pelo fato de sempre buscarmos oferecer o melhor que conseguimos, trazer mais um membro para a família nos faria repensar todos os gastos mensais. Nos ajustamos para 3 gatos e agora temos 4. E o mais preocupante: um quarto membro que não sabíamos ao certo qual era a situação.)

Pois bem, no belo sábado de 22 de dezembro, o Patrick conseguiu atrai-lo para a caixinha de transporte fazendo uma trilha de comida.. e aí conseguimos captura-lo para que fosse examinado propriamente. Levamos na veterinária do bairro, que é responsável pela vacinação anual dos meus gatos. Ela fez um pré-exame básico e constatou algumas coisas: ele é idoso, é castrado, perdeu boa parte dos dentes, tem sinais de trauma na mandíbula e várias feridas na boca (que inicialmente pensamos se tratar de calicivirose).

Ainda no sábado, a veterinária aproveitou para colher amostras de sangue. Um pouco para o exame geral e o restante para testes de FIV e FeLV. Ali na hora ela já conseguiu testar uma parte da amostra e constatamos que ele era FIV+ (doença equivalente à AIDS humana).

Após essa triste – mas até que esperada – notícia, voltamos para casa com um tratamento bastante complicado de ser feito: dar comprimido durante 30 dias para um gato que não era nosso e não tinha confiança nenhuma na gente.

(Abro mais um parêntese para dizer que: se você nunca deu comprimido para um gato, talvez não tenha ideia do que eu tô falando. Mas gatos não são enganados como cães. É preciso abrir a boca do bicho e enfiar o remédio na goela. Coisa que a gente não queria fazer. Primeiro por ser um sofrimento para o bichinho que já havia sofrido tanto e segundo porque seria muito muito difícil mesmo.)

Neste meio tempo, o Pretinho começou a apresentar problemas para comer. Nos primeiros dias, devido a fome, devorava tudo quase que instantaneamente depois de a gente servir. Passados alguns dias, ele começou a ter reações que pareciam engasgo. Continuamos observando e essa situação só piorou, chegando ao ponto dele mal mal querer fazer 1 refeição no dia.

Como a primeira veterinária que levamos não é especialista e não estava acostumada a lidar com esse tipo de situação, buscamos outras alternativas.. até que fui apresentada à Dr. Fernanda pelo queridíssimo Felipe Guerra (acho que nunca seria grata o suficiente ).

Hoje, dia 4 de fevereiro, levamos o Pretinho até ela. Viagem que demorou aproximadamente 1h, pois precisamos atravessar a cidade. Posso dizer que valeu a pena! Saímos de lá com as esperanças renovadas e com um objetivo claro do que precisamos fazer para salva-lo. E aqui que entra todo o motivo desse textão: o Pretinho sofre de uma doença autoimune (como se já não bastasse tudo o que ele já passou). Os engasgos e as feridas na boca são por conta dessa doença, que afeta todo o aparelho bucal, descendo pela garganta até o exôfago. Causa muito dor nele toda vez que vai se alimentar.

A solução? Pretinho terá que ser submetido à um procedimento para retirada de todos os dentinhos restantes e todo e qualquer vestígio dos outros dentes. Tudo. Esse procedimento é caro, infelizmente. E eu gostaria de pedir ajuda para custear essa despesa e poder dar uma vida melhor pra ele!

O gasto total será de R$ 3.000,00, sendo que R$ 400,00 serão para os exames pré-operatórios (ecocardiograma e hemograma) e os outros R$ 2.600,00 do procedimento em si.

Não é clichê o que digo agora: QUALQUER ajuda é bem-vinda. Qualquer valor. O que você puder. Se só a divulgação é o que você pode fazer, seu lugarzinho estará guardado no meu coração e no do Pretinho.

Ah! E depois, quando ele estiver 100% recuperado e saudável, estará pronto para adoção. Tenho certeza de que encontraremos um lar cheio de muito amor e carinho, para que passe o resto da vidinha dele muito feliz.

Dados para doação:
Paula Xavier Pinter
CPF 011.494.862-36
001 Banco do Brasil
Ag 4726-0
CC 30149-3

Mais uma opção para quem quiser ajudar! Criei uma conta no PicPay. 
Se você não tem conta lá, é só criar utilizando meu código e no primeiro gasto de R$ 10,00 pelo cartão de crédito, eu ganho R$ 10,00 (que será revertido para o tratamento do Pretinho). E claro, quaisquer valores doados por lá, por quem já tiver conta, também serão destinados para o mesmo fim.

Se você leu até aqui, o meu muito obrigada.