Por que jogar Splatoon 2?

Por que jogar Splatoon 2?

O que começou como uma breve experiência e tentativa de jogar com uma amiga virou um vício que eu – honestamente – não esperava ter. Splatoon 2 é a sequência do jogo da Nintendo para Wii U que fez um considerável sucesso dois anos atrás. Tive uma pequena experiência com o primeiro jogo e gostei da ideia, mas não joguei o suficiente pra estar num modo de “pensar o dia inteiro em joga-lo”, assim como foi com o segundo jogo.

Com diferenciais do seu primeiro jogo, Splatoon 2 traz novidades e também alguns problemas que fazem com o jogo seja divertido, porém precise melhorar muitos aspectos para os jogadores online. O que mais me cativou no jogo é que seja você bom ou ruim em jogos de tiros online, você sempre vai ter seu papel no time e vai sim ajudar, de alguma forma. Para começarmos esse review, você deve entender do que se trata o jogo, você assume o papel de uma criança  que vira uma lula e seu objetivo é pintar o mapa e os inimigos com a sua cor.

Splatoon 2

Splatoon 2 conta com uma gameplay divertida e leve, onde o ato de pintar o chão, as paredes e até seu inimigo é algo simples mas muito divertido. A mecânica do jogo não é assim tão fácil de se entender, mas não é impossível: uma vez entendida, fica difícil largar mão dele. A explosão de cores e tintas no mapa é algo que dá um brilho no olhar e uma vontade de jogar repetidas partidas, o que acaba tornando o jogo totalmente não-massante e nem um pouco enjoativo.

Com um modo single player diferente e com novidades, gastar horas aqui vai ser fácil. O jogo conta com um novo modo chamado Salmon Run, um modo (quase) impecável que vai te divertir por horas junto com seu time de amigos. Pintar o cenário, sobreviver em certas situações, derrotar inimigos e criar esquemas e planos para derrotar os chefões dos mapas exigirão seu tempo e dedicação, mas tudo isso com muita diversão.

O modo multiplayer do jogo é seu foco principal, tanto a Regular Battle quanto as partidas rankeadas e o modo League Battle. O ponto negativo a se destacar de Splatoon 2 são coisas que podem vir a ser alteradas no jogo – e esperamos que sejam – mas que valem a pena ressaltar, como por exemplo, o sistema online do jogo é (quase) um fracasso.

Se você não quiser jogar o Salmon Run, vai ser difícil saber em que time você e seus amigos cairão, podendo estar no mesmo time ou em times inimigos toda vez em que forem para a fila de espera. Isso pode ser bom ou ruim para algumas pessoas. Se você quer apenas se divertir com seus amigos, você vai ficar decepcionado em saber que não há nada que garante que você vá jogar a Regular Battle no mesmo time do seu companheiro.

Outra coisa negativa no jogo é a falta de um chat in game. Sejamos sinceros: existe um modo de jogo em que você pode estar com seus amigos e com um chat de voz, mas ele é feito apenas por meio de um aplicativo de celular que é bem chatinho de usar. Esse ponto também pode ser ou não ser um problema para os jogadores. Há quem prefira jogar sem ter um chat in game, e há os que preferem se comunicar com a equipe sempre durante as partidas. O aplicativo para celular é precário e tem suas complicações: só é possível baixar na Apple Store e na Google Store quem possui contas americanas, é preciso estar com o aplicativo aberto, não podendo deixar ele em segundo plano, para que ele funcione. Precisar de um segundo dispositivo para comunicação em um jogo de 2017 é bem chato, né?

O jogo tem uma variedade boa de armas e equipamentos, que são pra lá de divertidos, como um balde de tinta, uma metralhadora, um rolo de tinta, entre outros, mas o que mas faz falta até então nas partidas é a possibilidade de trocar de arma e equipamento dentro do lobby ou in game.

Para um jogo tão focado em multiplayer e com uma jogabilidade divertida e com um potencial enorme pra dar (ainda mais) certo, a Nintendo falha nessas mesmas questões multiplayer online. É uma coisa que esperamos que – futuramente – sejam acertadas, pois Splatoon 2 é viciante e carismático o suficiente para crescer ainda mais e para que todos queiram joga-lo!