Jogue: 999 – Nine Hours Nine Persons Nine Doors

Jogue: 999 – Nine Hours Nine Persons Nine Doors

Hello humaninhos queridos! Tá na hora mais aguardada dessa semana: a indicação/review de um joguinho pra vocês! E o jogo escolhido pra isso foi: 999 – 9 Hours, 9 Persons, 9 Doors. Vem com a gente descobrir como o jogo é e um pouquinho mais da história por trás dele!

Não sei se pelo nome todo mundo já acaba sabendo sobre o que, ou mais ou menos, como seria esse jogo. Mas a questão é a seguinte: ele é um “escape” game! Sim! E dos bons! Podemos começar a falar do jogo dizendo que ele é um jogo que mistura puzzle, point-and-click e terror num lugar só. Dito isso, vamos à história: nove pessoas sequestradas acabam se vendo presas dentro de um navio – que descobrem mais tarde ser uma réplica do Titanic – que vai afundar em questão de horas, adivinhem quantas? Bom, isso mesmo, nove horas, para ser exato. Após descobrirem que seu misterioso sequestrador se intitula “Zero”, eles descobrem o motivo de estarem ali: a princípio, para jogar um jogo que o Zero chama de Nonary Game. O jogo os força a se dividirem em grupos para que possam atravessar as portas que estão enumeradas de 1 à 9. Existe toda uma regra por trás do jogo, mas se eu falasse tudo aqui, ficaria bem mais “fácil” e seria um baita spoiler pra vocês! Mas o jogo é “basicamente” isso: os jogadores do Nonary Game precisam encontrar a porta 9, que como o sequestrador deles fala no jogo, “a porta 9 é a única saída”.

Nine1

Temos 9 personagens, cada um com uma história e ligações incríveis dentro do jogo. Os puzzles são muito bem elaborados e te prendem muito enquanto você os resolve. Você anseia a cada vez mais saber mais e mais sobre todos os personagens, até mesmo aquele personagem por quem você não acreditava que teria um papel importante na história. Bom, o jogo é num estilo bem Visual Novel, você vai ler toda uma história com diálogos, e ele também é muito focado sobre a história. As salas são onde você tem mais interação com o jogo e consegue bisbilhotar a vontade. Você precisa ser muito atento a cada detalhe por que as vezes, a menor coisa da sala, é a chave essencial pra sair do quarto. E o mais legal é que as salas muitas vezes – talvez sempre – se ligam com a história que está sendo contada, nada é fora do contexto.

Uma coisa que talvez pode prejudicar um pouco o jogador de 999 é que o jogo tem diálogos longos. E você precisa estar prestando atenção no que estão falando e na história sendo contada para que você possa aproveitar/desfrutar bem mais do jogo e também conseguir algumas dicas e sair de salas importantes. Uma coisa que eu, particularmente, acho bem bacana no jogo é  que ele tem vários finais: são seis finais, os quais você precisa fazer quase todos para que possa desbloquear o “True Ending”, que seria o final verdadeiro, isso acontece por que existem alguns detalhes da história em alguns finais que são essenciais para que você entenda a história por completo. Eu também acho bacana terminar todos os finais por que eles acabam revelando um pouco mais sobre os personagens e as reais intenções e o por quê de cada um deles estarem ali.

PS.: para esclarecer: esse é um jogo para o DS, mas está para sair futuramente uma versão dele para a steam, no PC.

Uma vez que você comece a jogar 999, você definitivamente não vai querer parar! 😛