Vamos falar sobre Penny Dreadful

Vamos falar sobre Penny Dreadful

Olá, sou novo por aqui! Venho com uma resenha sobre a série Penny Dreadful pra vocês lerem! Espero que gostem! Boa leitura!!!

 

Penny Dreadful é uma série que possui 3 temporadas, trazendo para o mesmo mundo: bruxas, demônios, lobisomens, vampiros, e contos como Dorian Gray, Dr. Frankenstein e suas criações, tudo que há de bom em filmes de terror e literatura estrangeira clássica!

Antes de assistir a série, várias pessoas me indicaram ela, disseram que tinha uma história envolvente, com um elenco de tirar o fôlego.

Bom, confesso que fiquei relutante com a ideia, uma série onde haviam vários personagens clássicos juntos só poderia virar bagunça. Assisti o primeiro episódio e depois não consegui mais parar, cada episódio que passava entravam novos personagens e a trama ia se desenrolando, fios se entrelaçavam formando uma relação muito sinérgica. Não conseguia definir onde começava e onde terminava cada conto.

Vou falar um pouco sobre a série, falando sobre as personagens principais e finalizando como um belíssimo quadro pronto para ser admirado! (Ou assistido, no caso, hihihi). Aqui vai:


Uma pincelada no elenco:

 Josh Hartnett como Ethan Chandler: um atirador americano que é contratado por Sir Malcolm, juntando-se na missão de resgatar a filha desaparecida de seu contratante. Ethan tenta se livrar constantemente de seu passado, ao mesmo tempo que luta para manter um segredo terrível. (E ele atira bem pra $#@%@)

Josh participou de filmes como Pearl Harbor (sendo Cpt Danny Walker) e Sin City (atuando como The Salesman).

Timothy Dalton como Sir Malcolm Murray: um explorador britânico que busca incessantemente pela sua filha Mina Murray. Junto de Ethan e da Srta. Vanessa Ives acaba descobrindo algo muito mais profundo que o sumiço de sua filha. Tentando corrigir os erros do passado, Malcolm e o grupo tentam combater grandes forças, consideradas apocalípticas por sinal (O cara é corajoso mesmo, hein?)

Sua bravura e coragem não é em vão, uma vez que Timothy deu sua contribuição para filmes como 007: Marcado para a morte / 007: Permissão para matar (ambos atuando como Bond, James Bond), e séries como Doctor Who (2009 como Narrador e em 2010 como Lord President).

Eva Green como Srta. Vanessa Ives: Srta. Ives é a personagem principal da série. Bela, sedutora e enigmática são palavras que descrevem bem a vidente de Penny Dreadful, mas, ao meu ver, a palavra que melhor se encaixa à ela é perigosa. Por trás daqueles lindos olhos verdes há um grande poder (Eu não testaria a paciência dela se fosse você). Vanessa tinha uma conexão muito profunda com Mina. Por esse motivo juntou-se ao grupo utilizando de seus poderes para tentar localizá-la. Durante uma das buscas, começa a descobrir o seu verdadeiro destino.

Eva marcou presença em filmes como 300: Rise of an Empire (personagem: Artemisia), e Sin City: A Dame to Kill For (Ava Lord). Ganhou também o prêmio “Estrela em Ascensão” da British Academy of Film and Television Arts (BAFTA) pelo filme 007 – Cassino Royale (2006). 007 está em alta na série, não é mesmo?

Reeve Carney como Dorian Gray: O Retrato de Dorian Gray – livro de Oscar Wilde (1890) é um romance filosófico que na época em que fora lançado, acabara por ter grande parte da obra censurada sob a alegação de ferir as leis morais da sociedade da época. Devo dizer que a obra em si é bem “caliente”, pra não dizer erótica (opa, acabei de dizer…). Não vou dizer muito sobre Gray aqui, pois quem não conhece a obra e quer assistir a série pode tomar vários spoilers. Pra quem quiser ler o livro, é uma ótima indicação! O jovem Dorian não faz parte do grupo de caça formado por Sir Malcolm, porém é um personagem que faz parte da manutenção sinérgica entre os contos.

Ao contrário dos outros atores, Reeve tende mais para o lado da música. Participou de um musical chamado: Spider-Man: Turn Off the Dark, onde as letras e músicas eram criadas por membros da banda U2, e contribuiu para a trilha sonora do filme Amanhecer Parte II – da saga Crepúsculo (Música: New For You – boa de se escutar!).

Harry Treadaway como Victor Frankenstein: Quando ouvi falar Frankenstein pensei: Minha nossa, esse cara vai ser o louco da série que deixará tudo de cabeça pra baixo e vai sair cortando todo mundo. Me enganei (Bom, pelo menos na parte de deixar tudo de cabeça pra baixo). A versão do conhecido Dr. Frankenstein mostrada na série rompeu com minha visão do doutor louco que tinha e adorei aquilo! Na série, Victor é fascinado pela vida e pela morte (característica que não poderia ser retirada da personagem, não é?), mas quando se trata de expressar seus sentimentos, o autor supera a mortalidade ao ter uma alma poética que faz você pensar: cara, eu preciso começar a ler poesias! (Na verdade você precisa,  poesia é algo incrível, mas deixemos o assunto para outra oportunidade!). Ele consegue expressar os sentimentos de uma forma que você acaba sendo encantado pela forma que as palavras fluem.

Frankenstein tenta esconder seus experimentos da sociedade, tarefa que se torna mais árdua ao entrar para o grupo de resgate de Sir Malcolm. Quando seu passado renasce das cinzas, o Doutor entra em conflito com o que é certo e o que é necessário para que seus “avanços científicos” não sejam revelados.

Harry começou sua carreira em 2005 com o filme Brothers of the Head onde atuou como irmão siamês de seu irmão gêmeo Luke Treadaway (Irmãos na vida real e nas telinhas. Que coisa, não?)

 

O quadro de Penny Dreadful

Grupo formado? Confere.

Personagens apresentadas? Confere. 

Vamos falar um pouco sobre o enredo!

Sir Malcolm parte para caçar seres que vivem nas sombras, buscando reencontrar sua filha. Logo no começo, o grupo mata uma espécie de vampiro que possui hieróglifos gravados em placas no peito, como se fosse uma couraça egípcia extremamente dura que o protegia de ataques (No caso, acho que aquilo não funcionou como deveria, ou alguém tirou 20 no dado!).

A partir desse acontecimento, a história começa a tomar um rumo mais profundo. O que diziam os hieróglifos? Malcolm resolve levar fotos da escrita para um conhecido do Museu Britânico. Quando o alto funcionário do museu revela a origem dos símbolos, o clima fica mais sombrio. E aí você diz: agora vou até o fim pra ver o circo pegar fogo!

Ao passo que tudo começa a fazer sentido, a busca por Mina parece um grão de areia no meio de um imenso mar de escuridão e maldade. E as personagens ali presentes batalham contra algo muito, muito maior do que seus passados e segredos mais ocultos.

No decorrer dos episódios, os segredos dos personagens são colocados à tona, e quando você acha que não pode melhorar, você se engana. A ligação que John Logan (Criador da série) realiza faz parecer que os contos ali apresentados sempre foram unidos, que desde o começo, em suas obras originais, foram criados para estarem juntos ali, na telinha bonitinha do seu computador ou da sua tv.

Concluindo!

             Se você quer uma série que te envolva e te traga um sentimento de cumplicidade para com os segredos dos personagens, você deve assistir Penny Dreadful! Se você gosta de literatura estrangeira, terror, fantasia, intrigas e romances proibidos, você estará no lugar certo!