Pincelando a série: Sherlock

Pincelando a série: Sherlock

Aloha! Hoje vou falar um pouquinho sobre Sherlock – a série britânica baseada nos livros de Sir Arthur Conan Doyle, feita pela BBC em conjunto com a WGBH. (Disponível no Netflix)
Vou começar elencando alguns pontos que achei interessantes:

– Traz as histórias de Sherlock Holmes para o século XXI – Não é uma série do período histórico em que se passam os livros.
– Sherlock é antagônico em relação à socialização e, ao longo da série, cercado por conflitos subjetivos, começa a demonstrar afeto com os próximos à ele.
– A série não se foca apenas na enigmática e densa trama dos livros, possui tonalidades de humor singulares, únicas.
– Atores que encaixaram como uma luva nos personagens, elenco excepcional.

Vamos falar sobre as histórias
Watson conhece Sherlock por meio de um amigo, pois voltara recentemente da guerra e estava sem emprego. Precisava dividir um apartamento com alguém. Ao encontrar Sherlock a primeira vez, uma simples batida de olho faz com que ele descobrisse muita coisa sobre Watson. Ao explicar sobre sua teoria e suas análises, o detetive deixa seu parceiro de apartamento totalmente perplexo, paralisado.
Conforme a série vai se desenrolando, Sherlock se aproxima de Watson e cria uma forte amizade. Todo aquele perfil de antissocial e solitário vai se esvaindo conforme os episódios vão passando, fazendo com que o detetive chegue a conflitos internos bem complexos.
Em um certo ponto, Sherlock se depara com um inimigo à altura, tão inteligente quanto o detetive. Holmes, então, se dá conta de que não é uma divindade do mundo investigatório como pensava ser, quanto mais se aprofunda nos casos, mais interessado e empolgado fica com os crimes e seu rival.
Um dos episódios mais marcantes pra mim, até o momento, foi o episódio titulado “O cão dos Baskerville”. O livro conta a história de uma família que é assombrada há centenas de anos por um cão diabólico. Já na série, a história é mantida, mas a contextualização foi tão incrível que no final do episódio eu fiquei sem palavras para descrever o “Cão dos Baskerville”. (Apenas assista esse episódio, ele é demais!)

 

Como Sherlock Holmes

9230_900 O ator escolhido para incorporar o personagem foi nada mais nada menos que Benedict Cumberbatch (Um ator nascido em Londres para um papel onde mora em… Londres!). A série lhe proporcionou várias indicações para prêmios de melhor ator (Ganhou a maioria, uuuuh).
Possuindo uma grande quantidade de participações em filmes, vou citar apenas alguns em que Cumberbatch atuou e que ganhou inúmeros prêmios:
Trilogia: O Hobbit – Anos: 2012/2013/2014. Personagens: Smaug / Necromante;
Star Trek: Into Darkness – Ano: 2013. Personagem: Khan;
O jogo da imitação – Ano: 2014. Personagem: Alan Turing;
Doctor Strange – Ano: 2016. Personagem: Stephen Strange.

 

Como Dr. Watson

57182Se Cumberbatch fez Smaug em Hobbit, nada mais justo que seu grande amigo faça o papel de Watson nas ruas de Londres, não é mesmo? Quem entra para dar vida ao companheiro de Sherlock é Martin Freeman, o nosso querido Bilbo Bolseiro! (Realmente, melhores amigos na Terra Média, não? -NOT)

Nascido em Aldershot, Hampshire (Inglaterra) – Martin dá vida à um Watson totalmente contemporâneo, com caretas que não precisam de palavras para passar a mensagem desejada. Freeman ganhou sua notoriedade na trilogia de O Hobbit, mas está nas telas desde 1998. Seu primeiro filme foi um curta chamado I just want to kiss you. O ator possui vários prêmios como melhor ator e melhor herói. Assim como Cumberbatch, o pequeno hobbit também possui uma grande bagagem de prêmios!

Conclusões
Se você é fã do trabalho de Conan Doyle com os livros do detetive mais famoso da literatura e não assistiu Sherlock ainda, está perdendo tempo! Se você gosta de séries policiais, cuja trama te surpreende, você precisa assistir essa série!
Os episódios são longos, mas cada temporada tem menos de cinco. Vale cada minuto! Uma série sem enrolação, que vai direto ao ponto!