Você não está louco(a) | Um texto sobre sensibilidade

Você não está louco(a) | Um texto sobre sensibilidade

Você não está louco(a) por sentir mais que outras pessoas, por sofrer mais que o tido como ~normal~.
Você não está louco(a) por buscar reciprocidade num relacionamento, por querer encontrar alguém que te dê um ombro nos momentos difíceis e que, apesar de não entender o seu conflito interno, o respeite.

Nós, pessoas muito sensíveis e que são bem mais coração que razão, somos muito julgados todos os dias, o tempo todo, por não conseguir lidar com certas situações e/ou sentimentos. Somos taxados de loucos, desequilibrados, chorões, fracos. Apesar de saber o quanto é difícil permanecer firme e ignorar tanta negatividade, te digo para que não se deixe abalar por quem sente de menos.

sensibilidade
A gente enxerga a vida com outros olhos, outras cores, outra intensidade. E isso não é ruim ou errado. Isso é o que somos e não devemos aceitar que nos queiram de outra forma. Devemos, sim, buscar ajuda quando tudo parece desmoronar e perdemos as forças, pensamos em desistir. Mas não devemos perder a nossa sensibilidade, porque ela é linda.

Somos capazes de nos colocar no lugar do outro, entender sofrimentos e angústias alheios, enxergar possibilidades além do que os olhos podem ver. Captamos energias boas e ruins com facilidade e conseguimos compreender com precisão tudo o que nos faz bem e, também, o que nos prejudica.
Estamos sempre dispostos a ajudar, a estender a mão, por mais abalado que o nosso mundo interno esteja. Porque temos compaixão em demasia. Não suportamos ver alguém indefeso sofrer. Sabemos o que é sofrer.

Somos peritos em apoiar e trabalhar em causas humanitárias e causas animais. Compreendemos a necessidade do próximo e, muitas vezes, sofremos junto. Tomamos para nós a dor do outro.

Somos criativos e apaixonados, excelentes para trabalhar em tudo que exija um envolvimento profundo: música, cinema, teatro, dança.

Não sabemos nos entregar pela metade, viver pela metade, sentir pela metade. Tudo o que diz respeito a nós é intenso, arrebatador ou, em casos ruins, devastador.

Amadurecemos mais rápido e, ao longo da vida, nos tornamos fortes. Chorar não é fraqueza, é coragem. Demonstrar o que sente não é fraqueza, é coragem. Admitir que precisa de ajuda não é fraqueza, é coragem. Só quem é corajoso é capaz de se desnudar perante outras pessoas. Estar ali, exposto, pronto para receber críticas muitas vezes cruéis, é para quem é forte. Força não está ligada à falta de sentimentos, força é quando você encara o que sente e não se importa que as pessoas saibam. Não se importa com o que elas vão pensar ou dizer à seu respeito (às vezes dói, mas a gente acaba superando).

A sua sensibilidade é linda, não deixe que te digam o contrário. Por mais que seja difícil viver como uma pessoa sensível, te garanto que aproveitamos muito mais da vida. Porque não só vivemos; sentimos. 

—————-

Minha dica? Procure uma terapia. Não porque você precise de tratamento por ser sensível, mas sim porque é muito bom nos conhecermos melhor e aprendermos a lidar com todo o turbilhão de emoções e sentimentos todos os dias. Além de aprender a lidar com pessoas racionais demais.
A vida não é fácil, principalmente para pessoas sensíveis. Um terapeuta te ajudará a canalizar energias para o que realmente importa.