Review | Detective Pikachu

Detective Pikachu

A Paula de 10 anos certamente saiu muito feliz da sala de cinema na última quinta-feira, dia 9 de maio.

Já estou há algum tempo sem produzir um conteúdo de próprio punho para este bloguinho. Gostaria de ter falado sobre Captain Marvel e Avengers: Endgame, dois filmões que moveram uma legião de fãs para as salas de cinema. Como o tempo dessa vida maluca não me permitiu, estou aqui me redimindo e aproveitando para falar de um título que me deixou bastante ansiosa.

Detective Pikachu funciona tanto para o público infantil – que muito provavelmente não teve o mesmo contato e o apego que nossa geração – quanto para o público adulto. A história gira em torno do desaparecimento e morte do pai de Tim Goodman (Justice Smith), que era um detetive policial muito competente.

Tim não vive com o pai. Após a morte de sua mãe, Tim foi viver com a avó enquanto seu pai se afundava no trabalho para esquecer toda a dor e sofrimento. Quando Tim é avisado da morte de seu, viaja para a cidade onde ele mora para buscar alguns bens, checar o que tinha no apartamento e encerrar esse capítulo. Porém, chegando lá, encontra um Pikachu (Ryan Reynolds) – parceiro e fiel escudeiro de seu pai que, em teoria, também havia morrido no acidente. A partir daí, a história se desenrola numa sucessão de acontecimentos misteriosos.

POKEMON DETECTIVE PIKACHU

Para a surpresa de Tim, ele consegue entender perfeitamente tudo o que o Pikachu diz. É como se um humano fosse capaz de conversar com um gato ou cachorro, por exemplo. Intrigados, Tim e Pikachu buscam desvendar os mistérios do desaparecimento e morte do pai de Tim.

A história conta com um plot twist que me surpreendeu bastante. Mas deixando de lado a parte mais técnica (já que eu não sou nenhuma especialista para analisar filmes com esse critério), o filme é extremamente divertido e fez com que eu me conectasse com a Paula de 10 anos de idade. Para quem não sabe, desde muito nova sou apaixonada pelo universo Pokémon. Inventava batalhas imaginárias, não perdia 1 episódio e/ou filme, colecionava todos os bonequinhos possíveis. Ver tudo isso “se transformando em realidade” (a computação gráfica do filme é INCRÍVEL) me emocionou demais.

Ok, a atuação não é das melhores (com exceção do Pikachu, “interpretado” pelo Ryan Reynolds, que é genial).. mas toda a aventura, diversão e qualidade de imagem (os Pokémon ficaram super bem feitos) entregues compensam – na minha humilde e pouco criteriosa opinião. Principalmente se você é fã dos Pokéamigos!

Nota: nota_1nota_1nota_1nota_2nota_2

Paula Pinter
Nerd, 28 anos, paulistana, conhecida também como Minorith nos joguinhos online, Lead de Comunicação da BBL / ESL Brasil, streamer ~de vez em quando~, "a tia louca por gatos", formada em Administração, apaixonada por marketing digital, fã de coisinhas cute, música, tecnologia e de um bom livro.