Review | O Sono da Morte

o_sono_da_morte

Quem nunca quis que seus sonhos se tornassem realidade, não é mesmo?! Em O Sono da Morte (Before I Wake, 2016), nós desejamos que isso não aconteça.

Dirigido por Mike Flanagan (Hush: A morte Ouve, Ouija – Origem do Mal), o filme conta a história de um jovem casal, Jessie (Kate Bosworth – Sob o Domínio do Medo) e Mark (Thomas Jane – O Justiceiro) que perde o filho de 8 anos e impossibilitados de ter outra criança, resolvem adotar. A criança em questão, Cody, é interpretada pelo fofíssimo Jacob Tremblay, que cativa a audiência no primeiro segundo em cena e coloca uma emoção que muito ator adulto deixa a desejar. Jacob é tão fofo que me fez querer abraçar a tela o tempo todo e esquecer por muitas vezes que se tratava de um filme de terror.

Jacob Tremblay - O Sono da Morte

Ao chegar na casa nova logo se descobre que Cody tem medo de dormir e faz de tudo pra se manter acordado o tempo todo. Logo se pensa que sua insônia e dificuldade pra dormir foi a razão de ter sido rejeitado em tantos lares antes, mas os novos pais logo descobrem que o motivo real: os sonhos de Cody se tornam reais enquanto ele dorme. Por mais maravilhoso que isso possa parecer, ninguém vive só de sonhos e os pesadelos de Cody também tomam vida e aterrorizam as pessoas no mundo real. Agora, a nova família de Cody, tem que descobrir qual a causa e a verdade por trás desse poder tão perigoso se quiser sobreviver.

Kate Bosworth e Thomas Jane - O Sono da Morte

Apesar de se auto-intitular como um filme de terror e ter sim , alguns sustos fáceis e previsíveis característicos, acho que O Sono da Morte se encaixa melhor como drama/suspense.O filme gira em torno do sofrimento da mãe que perdeu o filho e em como ela precisa superar o passado pra conseguir viver um futuro feliz.

Cody é altamente influenciado pelo mundo externo e nós acompanhamos o desenrolar da história através dos olhos dele, são as emoções e medos de uma criança exposta a muitos traumas que faz com que acreditemos na história e torçamos pelo final feliz, não só da criança mas para que todos fiquem bem. Algo que acredito ser muito importante em filmes de terror é a identificação e empatia pelos personagens, afinal, se você não torce pra que tudo dê certo é porque não se envolveu o suficiente pra ter um medo real como se a história estivesse acontecendo com você.

O Corredor - O Sono da Morte

Tratar do medo de sonhos e com crianças foi uma combinação que eu gostei bastante, foge do clássico A Hora do Pesadelo (1984) e melhora o mais recente Mama (2013), trazendo uma trama que assusta, emociona e agrada na medida certinha.

–SPOILER E COMENTÁRIO ESPECÍFICO PRA QUEM ASSISTIU. LEIA POR SUA CONTA E RISCO.

Eu sou do tipo que perde o gosto pelo filme quando ele mostra o monstro. Gosto de deixar minha imaginação trabalhar e sem dúvida acredito que os piores monstros pra cada um estão na sua própria cabeça. O “Cancer Man” de O Sono da Morte me surpreendeu muito, não só achei bem feito, como realmente assusta. Talvez seja só eu e meu gosto perturbado, mas realmente me convenceu como “mal” a forma semi-humana destruída pelo câncer vista pelos olhos de uma criança. 

Apesar de tudo se esclarecer no final, fiquei com um gostinho de “ué cadê o resto?” que me deixou meio inquieta, mas que não atrapalhou a diversão e nem a sensação de ter visto um filme bom. Pela atuação, pela emoção, pelos sustos e pelos sonhos a serem realizados, assistam, vale a pena.

Nota: nota_1nota_1nota_1nota_1nota_2

Avatar
Designer, youtuber quando dá na telha, batgirl toda noite e durante o dia, garota gamer. Apaixonada por redes sociais, arte, escrita, comida e animais, todos com muito leite condensado, por favor.